Domingo, 14 de Julho de 2024
10°C 16°C
Curitiba, PR
Publicidade

Brasileiro Gil De Ferran morre aos 56 anos

Bicampeão da Indy em 2000 e 2001, além de vencedor da Indy 500 em 2003, brasileiro teve um mal súbito em autódromo nessa sexta-feira (29).

29/12/2023 às 22h37
Por: VITOR GARCIA
Compartilhe:
Gil De Ferran morreu aos 56 anos | foto: IndyCar
Gil De Ferran morreu aos 56 anos | foto: IndyCar

O brasileiro Gil De Ferran, bicampeão da Indy e vencedor das 500 Milhas de Indianápolis em 2003, todos os títulos conquistados pela famosa e poderosa equipe Penske, faleceu nessa sexta-feira (29) após passar mal enquanto pilotava no circuito privado de Concours Club (Flórida) ao lado do filho Luke.

O piloto foi socorrido e levado para o hospital da região, mas não resistiu falecendo aos 56 anos de idade e deixando esposa (Angela) e os filhos Anna e Luke.

Filho de pai francês (Luc De Ferran), Gil De Ferran nasceu em Paris e aos quatro anos de idade mudou-se para o Brasil, onde em 1987 sagrou-se campeão nacional de Fórmula Ford, abandonando o curso de engenharia mecânica e mudando-se para a Inglaterra para disputar os campeonatos no velho continente.

Depois de passar pela Fórmula Opel, em 1991 e 1992 disputou a Fórmula 3 conquistando o título nesse último ano, com sete vitórias., o que lhe rendeu um teste na Williams junto com Alain Prost que retornaria à categoria no ano seguinte. 

Nos anos de 1993 e 1994 disputou a Fórmula 3000 (atual Fórmula 2) pelo time do escocês Jackie Stewart e seu filho Pau, terminando em 4º e 3º lugares respectivamente. Em 1993 a equipe Arrows convidou Gil para um teste com o carro da equipe em Estoril (Portugal) e depois de sair do carro com cãibras por não encaixar direito no carro, acabou não percebendo uma tampa do armário do caminhão da equipe aberto, acertando com a cabeça e tendo que levar 10 pontos: resumo, fim do teste.

Gil de Ferran fez parte da geração de pilotos nacionais que “invadiram” os estados unidos na metade dos anos de 1990 para correr na Fórmula Indy, estreando pela equipe Hall em 1995 com um lindo e clássico layout amarelo, com faixas pretas e vermelhas e a marca Penzoil que foi imortalizada pelo piloto americano Rick Mears; ao final do primeiro ano o piloto conquistou a primeira vitória na última etapa da temporada, em Laguna Seca.

Em 1996 continuou no time, terminando o campeonato em 6º lugar e somando mais uma vitória na carreira (Cleveland) além de outros três pódios no campeonato. No ano seguinte migrou para a equipe Walker, onde conquistou o vice-campeonato em 1997 mesmo sem nenhuma vitória na temporada, deixando a equipe no final de 1999 para assinar com a poderosa Penske.

Com um carro competitivo e uma equipe de alto nível, Gil conseguiu mostrar todo o seu potencial e não decepcionou, conquistando os títulos em 2000 e 2001, além do segundo lugar nas 500 Milhas de Indianápolis em 2001 quando o famoso circuito não fazia parte do campeonato da CART (atual IndyCar), mas sim da IRL (Indy Racing League).

Em 2002 migrou com a Penske para a IRL para desenvolver o equipamento e trabalhar no que seria a unificação da categoria, terminando o campeonato em 3º lugar.

A vitória nas 500 Milhas de Indianápolis veio em 2003, ano em que terminou o campeonato como vice-campeão e anunciou que se retiraria das pistas como piloto.

A partir daí iniciou nova fase como dirigente: em 2005 foi diretor esportivo da equipe BAR na Fórmula 1, que no ano seguinte veio a transformar-se em Honda Racing, deixando o cargo em julho de 2007.

Voltaria as pistas em 2008 através de equipe própria (DE Ferran Motorsports) na American Le Mans Series, terminando em 9º lugar na temporada de estreia e como vice-campeão em 2009 com cinco vitórias utilizando um Acura ARX-02a da classe LMP1.

Aos 41 anos anunciou que abandonaria as pistas mais uma vez para se unir com o filho de Roger Penske (Jay Penske) e em 2010 criar a De Ferran Dragon Racing na Indy com o brasileiro Raphael Mattos.

Em 2018 foi chamado pela McLaren para assumir o cargo de diretor esportivo no time de Fórmula 1, e em 2019 assumiu o projeto da equipe na Indy, sendo um dos responsáveis por trazer Fernando Alonso para disputar as 500 Milhas de Indianápolis. Gil deixaria o projeto no final de 2021, retornando a equipe de maio de 2023 como consultor do time.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Lenium - Criar site de notícias