Segunda, 27 de Setembro de 2021 08:12
(41) 98889-8341
Tóquio 2020 Vôlei masculino

Brasil perde para algoz Comitê Olímpico e vai à disputa do bronze

Agora, os brasileiros aguardam o adversário entre França ou Argentina para disputa da medalha de bronze.

05/08/2021 03h20
Por: GUILHERME DIAS
Foto: Wander Roberto/COB
Foto: Wander Roberto/COB

Na madrugada desta quinta-feira (05), Brasil e Comitê Olímpico Russo foram a quadra para disputar a semifinal do Vôlei masculino. A partida era a mais esperada do torneio, pois os brasileiros iriam enfrentar o único time que foi capaz de vencê-los na fase de grupos, e o resultado, foi igual.

O Brasil saiu na frente, mas não soube controlar as próprias emoções, perdeu o 3º set que estava ganho, e por fim não aguentou a pressão. Agora, os brasileiros aguardam o adversário entre França ou Argentina para disputa da medalha de bronze.

O Jogo

A partida começou tensa e muito equilibrada. O Brasil veio com sangue nos olhos e saiu na frente, mas não deu nem tempo de respirar e os russos já empataram. Ponto a ponto, os times duelavam em quadra, sem querer deixar o adversário ampliar. Explorando muito bem os bloqueios, os brasileiros jogavam em muita sintonia. No meio do set, veio a primeira vantagem brasileira, Bruninho cravou o ace, e abriu 16x12.

Com a vantagem nas mãos, o time de Renan Dal Zotto soube controlar o ritmo e manter o domínio da partida, Lucarelli conseguiu o 10º ponto de ace nas olimpíadas e chegou a abrir seis pontos. Os russos ainda tentaram parar a partida, mas depois de um lindo rally, veio o set point brasileiro, quando Iakovlev sacou pra fora, encerrando o set. 25/18, 1x0 para o Brasil.

2º Set da virada russa

No segundo set, os russos voltaram pra buscar o empate e saíram na frente com dois bloqueios. O Comitê Olímpico Russo chegou a abrir 5x2. Os brasileiros sentiram o bom começo dos russos e começaram a se perder na partida e a distância chegou a cinco pontos. Volkov comandava o ataque. Após um rally super disputado, Leal foi bloqueado, a equipe da Rússia chegou a 14x7.

Em uma sequência de erros, o Brasil conseguiu diminuir a diferença, Tuomas Sammelvuo parou a partida e pediu tempo. Mikhaylov atacou pra fora e a distância foi pra apenas dois pontos. Porém, a superioridade russa era evidente no set, e na reta final, souberam controlar o ritmo e chegar ao set point com cinco chances para fechar. O Brasil conseguiu salvar dois, mas no terceiro, Kliuka consertou a recepção e desceu o braço para vencer o segundo set 21/25, empatando a partida em 1x1.

Brasil perde o 3º set para ele mesmo

O terceiro set começou equilibradíssimo, disputado. Em dois rallys seguidos, o Brasil conseguiu encaixar os contra-ataques com Lucarelli e Leal, conseguindo a primeira vantagem da partida, 9x6, o técnico russo parou o jogo. Lucão apareceu em duas bolas pelo meio, marcando seu 11º ponto na partida, e Wallace, cravou na paralela para abrir três pontos.

Leal, crescendo no jogo, venceu o bloqueio russo e venceu um longo rally pra segurar o Brasil na frente. O nível de tensão dos jogadores era visível, Bruninho, mas os brasileiros estavam muito focados e conseguiram abrir uma boa vantagem no momento mais importante do set, chegando a 19x12. 

Quando o jogo parecia resolvido, os brasileiros tiveram um apagão, e os russos conseguiram empatar e virar a partida, no penúltimo ponto do set, transformando o jogo em uma panela de pressão. Cedendo ao nervosismo, o Brasil se perdeu e conseguiu entregar um set ganho, 24/26, virada do Comitê Olímpico Russo, 2x1.

O adeus ao bicampeonato olímpico

O quarto e decisivo set começou com o time brasileiro na frente, mas o volume de jogo russo era muito forte e a equipe conseguiu a virada pra 5x4. Com a vantagem de dois pontos, finalmente Dal Zotto resolveu utilizar o banco e trouxe Douglas para partida. O ponteiro deu uma nova cara pro time, que conseguiu chegar ao empate de 15x15. A alegria não durou muito e os russos voltaram a vantagem no placar, conseguindo abrir 20x17. 

Lucão, na força e na raça, buscou o empate e no erro de ataque de Podlesnykh, o Brasil virou a partida, a reta final virou novamente uma panela de pressão, e ponto a ponto as equipes tentavam chegar ao final do set. Wallace atacou pra fora, Dal Zotto pediu desafio em um desvio no bloqueio, mas perdeu, os russos passaram a frente.

Explorando o bloqueio, o Comitê Olímpico Russo chegou ao set point, Douglas ainda conseguiu salvar um, mas Kliuka, com uma bola na diagonal, fechou o quarto set em 23/25 e a partida em 3x1.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias