Sábado, 31 de Julho de 2021 00:01
(41) 98889-8341
Tóquio 2020 Tóquio 2020

Quantos judocas brasileiros acima dos 28 anos disputaram as últimas edições olímpicas?

Desde os Jogos de Pequim 2008 a média de idade dos participantes brasileiros no judô vem aumentando.

24/06/2021 19h45
Por: LEANDRO GEORGETE
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Em 2017 a Confederação Brasileira de Judô (CBJ) divulgou que deixaria de investir dinheiro próprio em judocas que teriam mais de 28 anos e que não estivessem entre os principais atletas do mundo. Mas quantos atletas do Brasil com mais de 28 anos participaram dos últimos três Jogos Olímpicos? E quantos desses chegaram a subir no pódio? 

 

O judô brasileiro tem uma relação de amor com os Jogos Olímpicos. Ao todo são 22 medalhas conquistadas, sendo quatro de ouro, três de prata e 15 de bronze. E tudo começou com um japonês naturalizado brasileiro em 1972, nos Jogos de Munique. Chiaki Ishii conquistou o bronze e trouxe para o Brasil a primeira medalha olímpica vinda do judô. 

As próximas medalhas só viriam para o nosso país tropical na Olimpíada de 1984, em Los Angeles, nos Estados Unidos, com uma prata de Douglas Vieira e dois bronzes, de Walter Carmona e Luís Onmura. E como dois apaixonados, o judô brasileiro e as medalhas olímpicas não se separaram até agora. Desde Los Angeles, o Brasil conquistou medalha em todas as edições.

 

Mas algo começou a incomodar a comissão técnica da CBJ logo após a edição no Rio de Janeiro em 2016. Logo perceberam que a média de idade dos medalhistas do mundo inteiro nos últimos três Jogos Olímpicos era abaixo dos 26 anos. Somando todas as disputas por medalha de Pequim 2008, Londres 2012 e Rio 2016, 85% dos atletas que subiram no pódio tinham menos de 30 anos completos.

 

Mas desde Pequim, a média de idade dos participantes brasileiros no judô vem aumentando. Em 2008 a média era de 24 anos. Em Londres, subiu para 25. Já na Rio 2016, a média deu um salto para 27 anos. E se ainda considerarmos a convocação/classificação para Tóquio 2020, essa média chegou em 28 anos.

Gráfico com idade dos judocas de Pequim 2008.



Gráfico com idade dos judocas de Londres 2012.

Gráfico com idade dos judocas da Rio 2016.

 

Gráfico com idade dos judocas de Tóquio 2020.

 

Não só a média dos participantes aumentou. A de número de medalhas x média de idades também. Em 2016, das três medalhas que tivemos, apenas uma foi com um atleta acima dos 28 anos de idade. No caso, Rafael Silva, o “Baby”, com 29. Veja aqui um infográfico especial falando sobre o atleta. Agora, com os atletas que vão disputar em Tóquio, a média dos que tem chances reais de medalhas sobe para 32 anos. 

 

Porém, a média de idade de todas as convocações revela que a renovação que teve na seleção feminina foi muito bem aproveitada em números de medalhas. Desde 2012, o judô feminino conquistou nos Jogos Olímpicos dois ouros e dois bronzes, em duas edições. Mas se pegarmos a convocação de Londres, Rio e agora Tóquio, veremos que com algumas exceções, são as mesmas judocas que irão competir, subindo a média de idade da seleção. Em Pequim a média do feminino era de 22,3 anos. Em Londres subiu pouco, mas subiu para 22,5. Já em 2016, o salto foi maior e foi para 26,7. Agora em Tóquio, a média de idade é de 29,3 anos. 

 

No masculino, a média sempre esteve beirando a marca dos 28 anos. Em Pequim era de 26,1. Em Londres foi para 28 e no Rio desceu para 27,8. Mas em Tóquio subiu novamente e atingiu a maior marca, com 28,1 anos de média. 

Veja a média de idade no geral e os judocas mais velhos e mais novos que disputaram as últimas edições.

 

Então percebemos que o que a CBJ está querendo fazer está correto, mas foi muito tarde para poder aplicar essa lógica de renovação da seleção em Tóquio. Isso pode explicar o número tão baixo de expectativas de medalhas este ano. A promessa feita pela entidade, é de que a seleção seja renovada para focar em 2024, e por isso já estão convocando atletas mais novos para Grand Prix, Grand Slam e até mesmo Campeonatos Mundiais, como é o caso de Willian Lima e Guilherme Schimidt, que até ano passado integravam a seleção de base, mas já disputavam campeonatos da categoria sênior. Agora os dois também fazem parte da comissão olímpica que viajará a Tóquio. Os dois judocas, além de outros atletas da base, vão ajudar no treinamento e preparação dos atletas que disputarão as Olimpíadas.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias